sexta-feira, abril 19, 2013

Incorporação obrigatória de materiais reciclados em obras públicas não é controlada pelo Ministério do Ambiente


rcdO Ministério do Ambiente não está a controlar a incorporação de materiais reciclados em Obras Públicas, não estando assim a ser cumprido o Decreto-Lei n.º73/2011 de 17 de Junho que obrigava a incorporar pelo menos 5% de reciclados a partir de 2011.
Esta medida previa, para além da aplicação de melhores práticas ambientais, o escoamento dos materiais reciclados produzidos pelos recicladores nacionais, bem como a preparação do mercado nacional para o cumprimento da meta comunitária que estipula um aumento mínimo para 70% no total reciclado de resíduos de obras até 2020.
A incorporação de materiais reciclados deverá ser efetuada de acordo com a totalidade da matéria-prima utilizada em Obra, devendo esta informação constar no Projeto de Execução (no documento referente a gestão de resíduos – Plano de Prevenção e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição). Os quantitativos incorporados devem ser comunicados posteriormente, através do registo eletrónico na Agência Portuguesa do Ambiente (APA), na plataforma SIRAPA.
Contudo, ao que a Quercus conseguiu apurar, não existe qualquer controlo, aliás muitas das obras públicas como as municipais, não fazem qualquer tipo de incorporação de materiais reciclados, fato que não é verificado pela APA, não havendo controlo da sua aplicação.
Apesar de haver obrigatoriedade de escoamento de materiais reciclados em obras públicas, esta medida não está a ser aplicada, pese embora os benefícios ambientais e económicos da mesma, dado que estes materiais são na sua maioria mais baratos. Por outro lado, sem este tipo de reforço as metas de reciclagem estabelecidas não serão certamente cumpridas em 2020, dado que segundo contas da Quercus com base nos números nacionais, as taxas de reciclagem não ultrapassarão os 5 a 10%.

Lisboa, 11 de Abril de 2013

In Boletim Informativo "Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza"

segunda-feira, fevereiro 25, 2013

Workshop . Construção de uma eólica


O Sítio está a organizar dois workshops com formadores da Eirbyte (Irlanda).

Workshop de Introdução a eólicas e à vivência off-grid – 23 e 24 de Março de 2013
Workshop de construção de uma eólica – 26 a 31 de Março de 2013

O workshop de Introdução a eólicas e à vivência off-grid terá dois grandes momentos: Um de entendimento dos componentes e processos envolvidos na construção de uma eólica; outro de entendimento e discussão sobre as complexidades de uma vivência “off grid” (desligada das redes infra estruturais).

O workshop de Construção de uma Eólica terá uma componente fundamentalmente prática, ainda que informada em profundidade com momentos de teoria, e vai consistir na construção, instalação e operação de uma eólica de 2,4m de diâmetro baseada no design desenvolvido por Hugh Piggott. Este modelo é mais adequado para zonas rurais e abertas sendo uma resposta económica para todos os que procuram autonomia energética com impacto ambiental extremamente reduzido.
O workshop é orientado para um público amplo que não necessita de nenhuma especialização específica. Será também feita uma abordagem aos princípios teóricos da optimização dos geradores a locais específicos.
Os participantes terão contacto com todas as fases de construção da eólica, como a criação das hélices, do gerador e de todo o circuito eléctrico necessário para ter um output de corrente estável e utilizável quer em conexão com a rede nacional, quer para carregar um banco de baterias próprio.

Os workshops serão leccionados em inglês com tradução simultânea em português.
Os workshops serão levados a cabo na Quinta de Darei, no centro de Portugal perto de Viseu, Mangualde.

Para inscrições e mais informações:
www.sitiocoop.com

O Sítio é uma cooperativa dedicada ao desenvolvimento de economias locais. Tem como grande objectivo contribuir para a criação, organização e transmissão de soluções que contribuam para que os indivíduos e comunidades possam gerir, de forma resiliente, livre e abundante a realidade que habitam.

Imagem intercalada 2

sábado, dezembro 22, 2012

Natal de quê?

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Natal de quê? De quem?
Daqueles que o não têm?
Dos que não são cristãos?
Ou de quem traz às costas
as cinzas de milhões?
...
Natal de paz agora
nesta terra de sangue?
Natal de liberdade
num mundo de oprimidos
Natal de uma justiça
roubada sempre a todos?
Natal de ser-se igual
em ser-se concebido,
em de um ventre nascer-se
em por de amor sofrer-se
em de morte morrer-se
e ser-se esquecido?
Natal de caridade,
quando a fome ainda mata?
Natal de qual esperança
num mundo todo bombas?
Natal de honesta fé,
com gente que é traição,
vil, ódio, mesquinhês,
e até Natal de amor?
Natal de quê? De quem?
Daqueles que o não têm?
ou dos que olhando ao longe
sonham de humana vida
um mundo que não há?
Ou dos que se torturam
e torturados são
na crença de que os homens
devem estender-se a mão?

Jorge de Sena

terça-feira, dezembro 18, 2012

Críticos da Reserva Ecológica são "ignorantes, incompetentes, oportunistas" - Renascença











O "pai" da Reserva Ecológica Nacional (REN) critica duramente o fim daquele regime de protecção ambiental. Em entrevista à Renascença, Gonçalo Ribeiro Telles apelida de escândalo o desaparecimento da REN, criada em 1983 num governo Aliança Democrática (AD).

“Porque é que mudaram de nome e onde é que está. É que mudaram para uma coisa que se escondeu. Uma coisa que era clara, que era objectiva, existia, agora deixou de existir e diz-se assim: ‘não, isso fugiu, escondeu-se em vários sítios’. Isto é um escândalo.”

O Governo quer condensar um conjunto de leis e acabar com a sobreposição de competências, mas Gonçalo Ribeiro Telles não se conforma e sugere uma conferência e um amplo debate sobre o assunto.

Quanto aos que criticam a Reserva Ecológica Nacional, o arquitecto paisagista fala num “conjunto de ignorantes, de incompetentes, de oportunistas e de pessoas com pouca ginástica mental”.
 
Gonçalo Ribeiro Telles, de 90 anos, deve participar esta sexta-feira na inauguração de um dos seus projectos mais emblemáticos em Lisboa, o chamado "Corredor Verde", percurso que liga o Parque Eduardo VII ao Parque Florestal de Monsanto, um projecto com 30 anos.
 
“É necessário que esse campo-cidade, como é o corredor para Monsanto, possa contribuir para a produção necessária à população urbana em horticultura, para a racionalização da circulação da água, para evitar grandes concentrações e inundações”, explica o arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles.

quarta-feira, dezembro 12, 2012

Monsanto. 30 anos depois corredor verde está pronto

-
Câmara de Lisboa garante que o projecto do arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles está “na fase final de várias obras”

O corredor verde de Monsanto, um projecto com mais de três décadas concebido pelo arquitecto paisagista Gonçalo Ribeiro Telles, vai ser inaugurado a 14 de Dezembro, segundo garantiu a Câmara Municipal de Lisboa (CML).

Segundo a autarquia, o corredor verde vai contar com 6,5km de comprimento e 51 hectares de área. Este espaço irá englobar duas pontes ciclopedonais, vários jardins, uma área experimental de prado biodiverso de sequeiro, 2 hectares de seara, dois miradouros, um quiosque com esplanada e cinco parques: um juvenil, outro de skates, dois de manutenção física e um hortícola. “Nos últimos anos foi concluída a ligação entre a Rua Marquês de Fronteira e a Rua da Mesquita, criando um novo espaço verde com árvores, pista ciclável, um skate park e equipamentos de ginástica ao ar livre”, explica fonte oficial do gabinete de José Sá Fernandes, vereador do Ambiente Urbano, Espaços Verdes e Espaço Público da CML. De acordo com a mesma fonte foi ainda construída uma nova ponte pedonal e ciclável sobre a Avenida Calouste Gulbenkian, que une a Universidade Nova ao Jardim da Amnistia Internacional (ex-jardins de Campolide), além da ponte de madeira que foi iniciada em Novembro sobre a Rua Marquês de Fronteira e que estará concluída nas próximas semanas. No Jardim da Amnistia Internacional foram ainda criados vários talhões hortícolas. “Todo este percurso está agora integrado na rede de percursos e corredores pedonais e cicláveis de Lisboa”, diz o gabinete do vereador.

Obras
Para que todo o projecto fique concluído até Dezembro, estão ainda a ser feitas as últimas obras no corredor verde que liga o Parque Eduardo VII e o Parque Florestal de Monsanto. “Neste momento estão a decorrer a requalificação junto à Universidade Nova para construção de um miradouro e a ser criado um novo espaço verde na Quinta do Zé Pinto, que irá manter uma componente de culturas de sequeiro. Ao longo do corredor vão ser ainda plantadas mais de 400 árvores e milhares de arbustos e vai também ser instalado um equipamento juvenil no Jardim da Amnistia Internacional”, afirma a CML.

Com o fim destas obras, o Parque Eduardo VII e o Parque Florestal de Monsanto vão passar a estar ligados através de espaços verdes, o que vai permitir que tanto ciclistas como peões possam circular de forma contínua pela cidade. A CML concretiza assim uma das suas promessas eleitoras e o sonho antigo do arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles, que há mais de 30 anos idealizou este percurso.

Investimento
De acordo com declarações de José Sá Fernandes em 2008, ao todo o projecto – que inclui nivelamentos de piso, construção de pontes, entre vários outros trabalhos – custou 500 mil euros à autarquia, mas segundo o vereador a maior parte da verba foi assegurada por financiamentos exteriores e também por dinheiro do Casino de Lisboa.
 

quinta-feira, julho 12, 2012

Construção de uma eólica


O Sítio está a organizar um workshop de "construção de uma eólica" com formadores da cooperativa Eirbyte (Irlanda).

O workshop terá uma componente fundamentalmente prática, ainda que informada em profundidade com momentos de teoria, e vai consistir na construção, instalação e operação de uma eólica de 4,2m de diâmetro baseada no design desenvolvido por Hugh Piggott. Este modelo é mais adequado para zonas rurais e abertas sendo uma resposta económica para todos os que procuram autonomia energética com impacto ambiental extremamente reduzido.

O workshop é orientado para um público amplo que não necessita de nenhuma especialização específica.

Os participantes terão contacto com todas as fases de construção da eólica, como a criação das hélices, do gerador e de todo ocircuito eléctrico necessário para ter um output de corrente estável e utilizável quer em conexão com a rede nacional, quer para carregar um banco de baterias próprio. Serão também abordados os princípios teóricos da optimização destes geradores a locais específicos.
Os conteúdos serão leccionados em inglês com tradução simultânea em português.

Os workshops serão levados a cabo na Quinta de Darei, no centro de Portugal perto de Viseu, Mangualde.

Para inscrições e mais informações: www.sitiocoop.com

O Sítio é uma cooperativa dedicada ao desenvolvimento de economias locais.
Tem como grande objectivo contribuir para a criação, organização e transmissão de soluções que contribuam para que os indivíduos e comunidades possam gerir, de forma resiliente, livre e abundante a realidade que habitam.

domingo, março 11, 2012

Publicidade biodegradável



"Poliéster revestido a resina de policloreto de vinilo (PVC). Quantas palavras percebeste? É provável que poucas ou nenhuma, mas o que importa é que esse é o nome do material utilizado para a impressão de cartazes com mensagens publicitárias ou propaganda política. E qual é o problema? Não é biodegradável.

Fernanda Viana descobriu-o durante a sua investigação para o doutoramento em Engenharia Têxtil e percebeu que o material não cumpre os requisitos que a lei impõe: “a resina de PVC é um material rígido e apresenta elevada instabilidade aos raios ultra-violetas e degradação térmica, resultando na libertação de cloro sob a forma de ácido clorídrico”, avisa. A isto juntam-se plastificantes e estabilizantes que “são classificados de cancerígenos pela Comissão Europeia”. Como tal, e para colmatar a ausência de um material legalmente aceite, Fernanda Viana versou sobre o tema durante o doutoramento, uma parceria entre a Universidade do Minho e a Universidade Fernando Pessoa. Com o apoio de diversas empresas nacionais e internacionais, foi desenvolvido um suporte biodegradável a partir de fibras existentes na natureza. Como o material ainda se encontra em processo de pedido de patente, os pormenores vão continuar, para já, no segredo dos deuses do meio ambiente."

João Diogo Correia in revista Mais Superior

domingo, fevereiro 26, 2012

Ribeiro Telles - «O grande problema do país é a morte das aldeias»




Numa conversa que decorreu nos jardins da Fundação Calouste Gulbekian, o arquitecto paisagista falou sobre o país, os problemas de planeamento das grandes urbes, a desertificação das aldeias. Para o antigo ministro da Qualidade de Vida, os governantes conhecem mal o país, o território e, em especial, o mundo rural. «É preciso que os responsáveis pensem mais no país, menos nas finanças e reflictam na economia do planeamento para o desenvolvimento das gentes». De acordo com Gonçalo Ribeiro Telles há que recuperar a «autenticidade das coisas».
Ana Clara | quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2012

Num momento em que Portugal vive uma crise económica e social, o arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles, que completa 90 anos em Maio deste ano, começa por dizer que o principal problema do país «é a falta de informação e a cultura das pessoas, transversal na sociedade portuguesa».

«Desde as camadas superiores, mais intelectualizadas até às mais profundas, de ligação à terra e aos lugares, essa falta de cultura continua à vista», argumenta, recordando que Portugal «vive uma crise de valores».

Refere que o fosso entre o Litoral e o Interior continua a aumentar. «A quem se deve o desaparecimento e a degradação das aldeias?», questiona, sublinhando, em seguida, que tal se deve «a toda uma política de organização do desenvolvimento planeada para a destruição do país e à preocupação em considerar a ruralidade como qualquer coisa do passado sem futuro».

«Criámos uma ruína. É preciso que os responsáveis pensem mais no país e menos nas finanças. Que reflictam mais na economia do planeamento para desenvolvimento das gentes, das potencialidades e da nossa posição quanto ao mundo», apela Gonçalo Ribeiro Telles.



E considera que «se estão a construir cidades só por construir e a criar não o vazio do espaço, mas o vazio do espaço construído». Sobre o interior, salienta que as aldeias «não podem despovoar-se como está a acontecer» e frisa que «dentro de pouco tempo, isto é um país de velhos, de asilos urbanos». Por isso defende que a recuperação das aldeias «tem de passar pelo restabelecimento da agricultura local».

E não tem dúvidas: «hoje, o grande problema do país é a morte das aldeias, que é também um problema de cidades».

E explica porquê: «o aglomerado urbano, que vive do abrigo, do encontro das pessoas, do tecto, do ambiente é a cidade. Mas isso também existe e tem de existir na aldeia. A dimensão é que é diferente. O que está aqui em causa não é a cidade, que dentro de pouco tempo terá 80% da população a viver nela. As aldeias não podem despovoar-se como está a acontecer».

O arquitecto recorda que com os actuais modelos de Planos Directores Municipais (PDM’s) não há recuperação urbana das aldeias para as pessoas mas apenas «a recuperação de algumas aldeias para o turismo».

«Mas não há turismo sem aldeões. Estamos completamente errados. A recuperação das aldeias passa pelo restabelecimento da agricultura local. E isso é o que não se quer», afirma.

Para Ribeiro Telles, o crescimento urbano deu-se baseado na ideia de um enriquecimento a curto prazo. «Ninguém apostou, por exemplo, na agricultura. E grande parte da industrialização deu-se também devido a isso. As políticas não eram autênticas em função das gentes. Onde é que está a funcionar a agricultura em termos nacionais? E o povoamento do território? Não está nem nos programas dos partidos nem dos governos. Tem apenas os limites de um jogo financeiro», frisa.

Para o arquitecto, o chamado «regresso à terra», «não é um regresso para férias nem para fazer agricultura de recreio», mas tem de ser uma «aposta no investimento das escolas, que estão a fechar, na circulação de todo o movimento que se tem de fazer em qualquer região».

Para isso, vinca, «é preciso criar gradualmente as condições. Se não for possível, temos o caos. Não conhece os subúrbios das cidades? Aí está o exemplo de caos», diz.

«Temos utilizado mal os nossos recursos»:

Sobre a Reserva Agrícola Nacional (RAN), a Reserva Ecológica Nacional (REN) e os PDM’s, que Ribeiro Telles impulsionou no início dos anos 80 do século passado, o também engenheiro agrónomo, realça que os dois primeiros diplomas «tiveram uma má aplicação, muitas vezes, por incompetência de quem fazia o planeamento e incompreendida pela maior parte dos autarcas, que não viam naqueles diplomas uma vitória eleitoral a curto prazo, em parte, pela pressão do investimento que os bancos realizavam para determinadas entidades, e deu no que deu».



«O mal está à vista. Continuamos a falar da floresta, da expansão urbana, do crescimento das cidades. Mas isso não se vê», salienta.

E prossegue, dizendo que «não há uma planificação global em face das possibilidades e virtudes do território. E não há povoamento».
Sobre a utilização dos PDM’s, Ribeiro Telles refere que estes instrumentos foram criados como «algo necessário para a defesa dos melhores solos agrícolas de que depende a existência do povoamento e a existência do país».

«Mas foi muito desvirtuada por muitos políticos e programas, porque não viam o essencial na autenticidade do país. Além disso, o PDM não servia a rápida expansão urbana nos sítios mais fáceis, mais planos e nos lugares mais urbanos», acrescenta.

A juntar a tudo isto, o arquitecto garante que «temos utilizado mal os nossos recursos». E os exemplos de má utilização são muitos, de norte a sul do país, e principalmente, «têm-se acelerado a má utilização dos recursos porque não se acredita nas «gentes», que estão – ou deviam estar – ao serviço da Humanidade e com uma identidade própria».

Recorda que «todas as coisas no nosso mundo têm uma autenticidade e que é sempre possível recuperar». «Uma coisa autêntica é aquela que tem um passado, que tem alicerces e que tem também um presente que se vê, que se sente. Não há presença nem autenticidade sem futuro», avisa.

E lembra que há três elementos fundamentais para os países, incluindo Portugal, se manterem como tal: «os lugares, as potencialidades e os recursos que nos dá a Terra-mãe e as suas gentes. Havendo estas três condições há lugar à autenticidade e à criação».

Recorde-se que o Centro Nacional de Cultura, que Gonçalo Ribeiro Telles ajudou a fundar, homenageou o arquitecto em Dezembro de 2011. À iniciativa que decorreu na Fundação Calouste Gulbenkian, acorreram dezenas de figuras dos mais variados quadrantes da sociedade portuguesa. Destacaram o trabalho desenvolvido pelo arquitecto em várias áreas, nomeadamente nas questões do ordenamento do território e do uso da terra em Portugal.

Ana Clara | quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2012, in
Café Portugal

segunda-feira, fevereiro 20, 2012

Oficina sobre Frutos do Bosque

Oficina sobre Frutos do Bosque
25 de Fevereiro - Braga
O Núcleo da Quercus de Braga vai desenvolver uma acção de formação sobre frutos do bosque, que decorrerá na Quinta Pedagógica de Real, em Braga, no sábado de 25 de Fevereiro de 2012. Venha aprender a fazer a identificação e cultivo destas plantas, desde as mais clássicas, como as "groselhas", às mais recentes como os "goji". Curioso? Participe!
Os frutos do bosque, também chamados de silvestres, são um tipo de frutos pequenos que hoje são muito procurados quer por produtores frutícolas quer por particulares, devido às suas propriedades nutritivas e terapêuticas.

Programa
Identificação de plantas arbustivas cujos frutos são comestíveis (umas mais conhecidas como as "groselhas" ou mais recentes como os "goji"). Sua caracterização e modo de cultivo.
A multiplicação destas espécies - execução prática.
Exemplo de plantas a abordar: Groselhas, Mirtilos, Framboesas, Physalis, Goji, entre muitas outras.


Inscrições
Através da ficha de inscrição em anexo, que deve ser enviada para
braga@quercus.pt. A taxa de inscrição é de 20€ para sócios e 23€ para não sócios.

Mais informações: 927986133 begin_of_the_skype_highlighting 927986133 end_of_the_skype_highlighting

A actividade só se realizará se tiver no mínimo 10 inscritos.
 

segunda-feira, janeiro 09, 2012

Borboleta-azul ganha reserva protegida em Portugal


Uma borboleta rara no nosso país e protegida a nível europeu, a borboleta azul, tem agora uma reserva em Portugal. A Quercus adquiriu um terreno de 3.500 metros quadrados, em Castro Daire, para preservar esta espécie que conta com a colaboração das formigas para sobreviver.

A nova micro-reserva está situada na Serra de Montemuro, no norte do país, onde foi recentemente identificada uma população da espécie, cuja ocorrência é muito rara em Portugal, sendo considerada uma espécie quase ameaçada de extinção.

A estratégia de sobrevivência da borboleta-azul é, talvez, a mais surpreendente de todas as 135 espécies de borboletas diurnas conhecidas em Portugal, segundo explica a Quercus em comunicado.

Quando os ovos destas borboletas eclodem dão origem a minúsculas lagartas que vão consumindo a cápsula floral durante duas ou três semanas. Depois, as lagartas deixam-se cair ao solo e esperam ser adoptadas por formigas do género Myrmica, que as irão transportar até ao formigueiro, pensando tratar-se de larvas de formiga perdidas.

Uma vez no formigueiro, as lagartas da borboleta-azul vão consumindo centenas de larvas de formiga, dando em troca uma substância açucarada ao formigueiro.

No ano seguinte ao da adopção, no Verão, dá-se o processo de transformação em crisálida, sendo que uma semana depois eclode a borboleta, que rapidamente procura uma saída do formigueiro, pois a química que iludiu as formigas deixa de funcionar e rapidamente passa a ser considerada um inimigo.

Os urzais-tojais e os cervunais, prioritários para a conservação da biodiversidade por parte da União Europeia, são os únicos habitats onde se encontra esta borboleta.

Em Portugal apenas são conhecidas populações da espécie no Parque Natural do Alvão e na Serra de Montemuro. Esta população da Serra de Montemuro, que vai agora ser objeto de proteção, foi descoberta pelo TAGIS – Centro de Conservação das Borboletas de Portugal, organização com a qual a Quercus tem um protocolo de cooperação.

[Notícia sugerida por Vítor Fernandes e Maria de Sousa]

(In Boletim "Boas Notícias")

sexta-feira, dezembro 23, 2011

Para um Natal mais sustentável


Quercus oferece conselhos para um Natal com menor impacto ambiental e financeiro (clicar na imagem). Bom Natal e bom ano novo.

sábado, agosto 27, 2011

Sessão de trabalho "Planta a tua floresta"


O Sítio está a organizar dois workshops de Agrofloresta com Ernst Gotsch em Portugal (Mangualde, Viseu).

"A Agrofloresta (ou floresta de alimentos) é um método agrícola que procura imitar a sucessão natural de espécies que ocorre nas florestas. Combina culturas alimentares com culturas florestais que não enriquecem apenas quem produz mas, também, todo o ecossistema. A ideia é que o homem deixe de lutar contra a Natureza, recorrendo a químicos e maquinaria pesada, passando a participar de forma harmoniosa nos processos naturais que têm sempre como objectivo o aumento da quantidade e qualidade de vida em todas as suas formas. A agricultura transforma-se numa actividade extremamente produtiva e variada, fonte de prazer e bem estar que para além de exigir pouco esforço de quem trabalha, é uma ferramenta de regeneração dos solos e do meio ambiente. É uma prática ideal para pequenos produtores e para soluções de auto-sustentabilidade. Nestes workshops orientados por Ernst vamos arregaçar as mangas e pôr as mãos na terra, vamos atrás do que funciona, do que gera recursos e vida. Não vamos falar de escassez, mas agir no caminho da abundância!

Vamos plantar uma Agrofloresta!

Os workshops de carácter essencialmente prático vão ser realizados na Quinta de Darei em Mangualde que dispõe de 150ha de reserva ecológica junto ao rio Dão e instalações de alojamento convertidas de um turismo rural.

Ernst Gotsch é um agricultor e pesquisador suíço que começou por trabalhar,nos anos 70, com melhoramento genético de plantas forrageiras. Esta pesquisa permitiu que concluísse que poderia obter melhores resultados na agricultura criando agro-ecosistemas que promovam uma lógica de cooperação entre as várias espécies vegetais. Em 1982 fixou-se no Brasil onde iniciou um projecto de recuperação de uma área de 500ha extremamente degradada. Desde 1993, depois de alcançar resultados extraordinários, tem-se dedicado ao ensino e transmissão dos seus métodos em todo o mundo.

Para mais informações sobre Ernst Gotsch e Argofloresta veja: TEXTOS e VÍDEOS.

Para inscrições e mais informações:
www.sitiocoop.com

O Sítio é uma cooperativa dedicada ao desenvolvimento de economias locais.

Tem como grande objectivo contribuir para a criação, organização e transmissão de soluções que contribuam para que os indivíduos e comunidades possam gerir, de forma resiliente, livre e abundante a realidade que habitam."

Porque nem tudo são más notícias...há que divulgar os bons exemplos!!!!


Mata Nacional dos Medos e as Terras da Costa salvaguardadas

"Quercus saúda decisão de não construção da Estrada (ER 377-2)"

"A Quercus saúda a decisão do Governo, que ontem, dia 25 de Agosto, lhe foi formalmente comunicada, de não prosseguir o projecto da Estrada (ER 377-2) Costa da Caparica/Nova Vaga/IC32, com perfil de auto-estrada, que visava ligar a Costa de Caparica à Fonte da Telha, evitando assim a destruição de uma importante zona da Reserva Botânica da Mata Nacional dos Medos e das Terras da Costa. (...)" 

Notícia completa na página do BOLETIM INFORMATIVO DA QUERCUS

sábado, maio 07, 2011

Destruição de azevinhos no Buçaco

"A Quercus já tinha alertado, em Agosto de 2009, para a falta de gestão do Perímetro Florestal do Buçaco após ter sido detectado um forte ataque do Nemátodo da Madeira do Pinheiro, doença que provoca a murchidão e a morte dos pinheiros afectados. Agora com o abate fitossanitário do pinhal, os madeireiros contratados estão a destruir o maior núcleo de azevinhos protegidos em Portugal perante a passividade da AFN - Autoridade Florestal Nacional."

É lamentável e mostra o país que somos!... Um país que se permite destruir assim a sua riqueza, o seu património, não admira que tenha chegado ao fundo do poço!!!...

Notícia a ler na íntegra no "Boletim da Quercus"

sexta-feira, março 18, 2011

O fim do Puma Americano?


Hoje é um dia triste!... Os cientistas decretaram oficialmente extinto do belo "puma americano".
A notícia pode ser lida aqui ...

sexta-feira, fevereiro 18, 2011

"Aumento de chuvas no hemisfério Norte só é explicado pelas alterações climáticas"

«“Factor humano” é o título da capa da Nature, e põe o dedo na ferida com uma fotografia de casas inundadas pelas chuvas. Dois estudos publicados na edição desta quinta-feira da revista relacionam pela primeira vez o aumento de precipitação que está a acontecer na Terra com as alterações climáticas derivadas da actividade humana.» 

(In Ecosfera - Público, para aceder ao artigo completo "clicar" aqui ou no título do artigo)

sábado, novembro 06, 2010

Habitatz


Habitatz é uma iniciativa da Comissão Europeia, de abrangência nacional, que aborda a biodiversidade de uma forma artística e com uma linguagem adaptada aos mais jovens, principalmente, através da utilização de máscaras hiper-realistas de 'espécies-estrela' do nosso país, com intervenções nas escolas, comboios, Centros de Informação Europeia e nos centros/baixas das cidades. Para conhecer melhor o projecto ver: www.habitatz.eu

sexta-feira, setembro 17, 2010

The Smiths - Meat is murder


Peço desculpa pela fraca qualidade da imagem e do som, mas era o único vídeo disponível com a letra original, e em português, embora do Brasil. Um grande passo para sustentabilidade, para a ecologia, para a saúde mental e pública!....Ser vegetariano é ser mais humano! Obrigado Morrissey!

quinta-feira, setembro 16, 2010

Conferência "Crime e Ambiente" na UFP


Os núcleos de Criminologia e Ambiente da Universidade Fernando Pessoa promovem uma conferência intitulada "Crime e Ambiente" no próximo dia 23 de Setembro, no auditório da UFP, em Arca de Água, no Porto.

terça-feira, agosto 31, 2010

Quercus organiza II Jornadas de Arquitectura Sustentável

Três dias dedicados a práticas sustentáveis para as cidades de hoje. 

18 Set, 23 Out e 27 Nov - Biblioteca Mun. Almeida Garrett, Porto

A partir do próximo mês de Setembro o Núcleo Regional do Porto da Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza, organiza a sua segunda edição das Jornadas de Arquitectura Sustentável. Em virtude do sucesso da edição anterior, as jornadas deste ano, que terão lugar nos dias 18 de Setembro, 23 de Outubro e 27 de Novembro de 2010 na Biblioteca Municipal Almeida Garrett irão sensibilizar para a importância de uma arquitectura mais sustentável.

Mais informação em: Boletim informativo da QUERCUS

sexta-feira, agosto 20, 2010

A tragédia dos incêndios...e do Gerês (via Bioterra)

Nas últimas semanas Portugal tem sido devastado pelos incêndios. Milhares e milhares de hectares de floresta e mato foram arrasados em poucas horas, em poucos dias. Santuários naturais como o Parque Nacional da Peneda-Gerês perderam o verde que os caracterizava. No combate às chamas morreram bombeiros, vidas que se perderam a tentar travar a catástrofe. Foram feitas detenções de vários indivíduos suspeitos de fogo posto e tecidas críticas à coordenação no combate às chamas.


Esta terça-feira, ficou a saber-se que desde o início do ano e até domingo passado, Portugal registou 70 mil hectares de área ardida. Os números foram avançados pela Autoridade Florestal Nacional. (Ver notícia completa no BIOTERRA)

quarta-feira, junho 16, 2010

Parque do Gerês classificado como reserva da biosfera



"Dia 22 de Maio de 2010 celebrou-se o Dia Internacional da Biodiversidade e nesse âmbito Portugal recebeu um diploma da UNESCO para o parque transfronteiriço do Gerês/Xurês, classificado como uma reserva da biosfera.

Trata-se de uma iniciativa da UNESCO para salientar e premiar os parques de preservação da biodiversidade e de habitats naturais."

Para mais informação "clicar" aqui ou na imagem acima.

quinta-feira, abril 01, 2010

No reino dos imbecis...

Estradas de Portugal efectuam podas abusivas em árvores centenárias na EN

"A Quercus recebeu recentemente denúncias sobre o abate e podas abusivas em dezenas de árvores centenárias autóctones, a maioria carvalhos-alvarinhos e freixos, sem problemas fitossanitários que justificassem este tipo de intervenção, na berma da Estrada Nacional n.º 226, entre Ponte do Abade, no concelho de Aguiar da Beira, e Trancoso, no distrito da Guarda."

sexta-feira, novembro 13, 2009

Estudo da Comissão Europeia conclui que Plano de Barragens viola Directiva da Água

A Quercus teve ontem conhecimento, através de uma notícia divulgada na SIC, que um estudo de avaliação da Comissão Europeia ao Programa Nacional de Barragens com Elevado Potencial Hidroeléctrico (PNBEPH), também conhecido como Plano de Barragens, concluiu que o referido Programa viola a Directiva-Quadro da Água. De acordo com a notícia o estudo da Comissão considera que os impactos negativos destas novas barragens sobre a qualidade da água dos rios não foram devidamente avaliados, avançando mesmo que caso as dez barragens sejam construídas Portugal não conseguirá cumprir a Directiva em matéria de qualidade da água. (...)
Artigo completo a ler no boletim informativo da QUERCUS

quinta-feira, setembro 17, 2009

Quinta do Paço da Serrana...a vergonha!!!!


Cerca de duas décadas de domínio municipal foram suficientes para destruir um património inestimável, construído ao longo de séculos. Obviamente que o "azar" da Quinta do Paço não foi o incêndio que aí deflagrou ontem, mas sim o de ter passado a pertencer a uma autarquia acéfala, laxista; insensível e irresponsável... Uma instituição pública onde a palavra cultura não cabe sequer no vocabulário. Em cerca de duas décadas a Câmara de Cinfães nada fez para que aquele espaço fosse mantido e preservado. Pelo contrário, permitiu a sua vandalização e destruição, nada fazendo para evitar o que agora sucedeu, embora os alertas tenham sido lançados incessantemente...
Sei do que falo! Senão vejamos:
1. Fui talvez a primeira pessoa a escrever sobre as possibilidades da quinta no já longínquo ano de 1985, ainda a propriedade pertencia à Família Serpa Pinto.
2. No ano seguinte publiquei um novo artigo onde alertava para a degradação de todo aquele património (mal sabendo eu que seria muito melhor que as coisas se mantivessem como estavam...).
3. Em 1995, participei num concurso público de arquitectura, lançado pela câmara que foi de tal forma boicotado que, até hoje, não foi publicado o resultado. A minha era a única proposta que cumpria todos os requisitos... E a própria vice-presidente (que fazia parte do júri) afirmou publicamente, em determinada altura, que a minha havia sido a proposta escolhida!...
4. Posteriormente, aquando do 1.º Programa Leader para a região, em que foi criado o "Centro Rural de Ribadouro", propus o aproveitamento e adaptação da Quinta do Paço para os fins que estavam previstos no concurso camarário e ainda como pólo de residência e atelier de artistas, etc... A ideia acabaria por não ser sequer aproveitada pela câmara que acabou por perder o dinheiro para o vizinho concelho de Baião!...
5. Mais recentemente, a Associação Por Boassas (APOBO) propôs a classificação de todo o maciço arbóreo fosse classificado como Património de Interesse Público (parte já era Reserva Ecológica). Embora o parecer da Direcção Geral das Florestas tenha sido favorável (que publicamos aqui parcialmente), o processo nunca teve um desfecho porque a autarquia não se mostrou interessada na classificação.
6. Nesse mesmo documento a DGF propunha-se identificar as espécies arbóreas e arbustivas e também à própria limpeza dos espaço, o que, obviamente nunca veio a suceder!...
7. Em reunião com o próprio presidente da autarquia, apelando à sensibilidade e necessidade de classificação de todo aquele espaço, a resposta não se fez esperar: "a classificação poderia ser contrária aos interesses CONSTRUTIVOS dos projectos em curso" (!!!!!)....
8. Alertei também para a necessidade da elaboração de um plano feito pela própria autarquia para ser usado como fio condutor de qualquer projecto que ali pudesse ser feito, tendo-me sido dito, sintomaticamente, que: (sic) "não está no âmbito da câmara esse tipo de acções" (!!!!!)...
9. Posteriormente, falei ainda com a presidência sobre a possibilidade de uma parceria (com grandes possibilidades de financiamento) internacional com a Holanda, tendo-me feito acompanhar para uma reunião pelo responsável das "Villages of Tradition" e gestor do programa "Leader" daquele país o Sr. Frits Schuitemaker. A ideia era uma parceria internacional, já que na aldeia holandesa de Frits se estava a construir um museu dedicado a um explorador local chamado Abel Tasman (o descobridor da Tasmânia). O desinteresse demonstrado foi de tal modo constrangedor que a ideia praticamente morreu logo ali.
10. Devo ser das pessoas que melhor conhece o espaço e a que mais elementos possui sobre a quinta (possuo o levantamento de todas as construções, com fichas identificativas e descriminativas de materiais, estado de conservação, localização, etc.; levantamento fotográfico de todo o património construído; plantas de zonamento; de áreas agrícolas e florestais; rede e estruturas hídricas; etc...). Apesar disso NUNCA me foi pedida qualquer informação, parecer, ou opinião sobre aquele espaço!

Por tudo isto, hoje, e pela primeira vez, sinto vergonha de ter nascido em Cinfães!

Manuel da Cerveira Pinto
(Professor Universitário, Mestre Arquitecto, doutorando em arquitectura na Universidade de Valladolid e vice director do Jornal Miradouro)

sexta-feira, junho 05, 2009

"Anima Mundi" no Dia Mundial do Ambiente


Anima Mundi (1991) é um pequeno documentário realizado por Godfrey Reggio, com música de Philip Glass. A beleza do mundo na poesia da música e das imagens.

domingo, maio 03, 2009

Governo quer reduzir as multas ambientais

O saque continua e aumenta de intensidade!... Depois de vilependiarem a Reserva Ecológica; a Reserva Agrícola e de permitirem construções escudados em supostos PIN's (projectos de interesse nacional), pretende agora o governo diminuir o peso das multas sobre os crimes ambientais. "Uma vergonha"... refere o jornal Público.

sexta-feira, maio 01, 2009

Contra as alterações à RAN (Reserva Agrícola Nacional)

Já aqui havíamos falado sobre mais este atentado ao ambiente, à ecologia, aos recursos do país e ao futuro das gerações vindouras, mas foi ao ler o sempre presente BIOTERRA que tivemos conhecimento do artigo de Ana Fernandes no jornal "Público" e da petição que se encontra a circular em defesa da Reserva Agrícola Nacional e que, com a devida vénia e agradecimento, transcrevemos a seguir:

Em defesa da Reserva Agrícola Nacional (RAN)

Por Ana Fernandes in Público de 29-04-2009


«Portugal já não é rico em solos férteis, mas uma recente legislação veio retirar a garantia de que os que existem serão preservados. É esta a principal crítica (e preocupação) de um grupo de cidadãos que pôs a circular na Internet uma petição em defesa da Reserva Agrícola Nacional (RAN).No final do mês passado, foram aprovadas alterações ao regime da RAN que, segundo os subscritores, não melhoraram a lei anterior, antes a alteraram por completo. Por isso, apelam a que os deputados à Assembleia da República introduzam alterações que permitam que os solos sejam salvaguardados para a produção de alimentos.

A petição foi posta a circular na segunda-feira em reserva-agricola-nacional e já conta com cerca de 450 assinaturas, entre as quais a do arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles, um dos ideólogos das reservas agrícolas e ecológicas nacionais.

Os subscritores da petição criticam algumas das alterações introduzidas, as quais, referem, foram escamoteadas ao escrutínio público durante a preparação do diploma. Permitir a incondicional florestação dos solos agrícolas, excluir da RAN áreas destinadas a habitação, actividades económicas, equipamentos e infra-estruturas (subalternizando a defesa dos poucos solos férteis do país a necessidades que podem ser colmatadas de outras formas) e as numerosas utilizações de áreas da RAN para outros fins são as principais questões apontadas.

Uma das principais críticas tem a ver com o facto de se prever que a delimitação da RAN tenha em atenção outros usos para o território. E argumentam que esses usos podem procurar localizações alternativas enquanto o solo agrícola tem uma localização única, cada vez mais rara no contexto nacional, e insubstituível.»

Petição aqui e aqui

"Campanha da EDP subverte realidade sobre barragens"

A QUERCUS chama a atenção para uma campanha publicitária multimilionária, produzida em larga escala e que utiliza a técnica do "greenwash" para vender a ideia de que a construção de barragens é benéfica para a bio-diversidade e para o meio-ambiente. Já nos tinha chamado a atenção o disparate. Trata-se indubitavelmente de tentar "vender gato por lebre". Uma empresa que apresenta lucros de milhões usa a estultícia com o maior despudor, tentando manipular a opinião pública, para que os (seus) interesses económicos não sejam prejudicados... Triste sinal dos tempos!...
(Para ler o artigo publicado no boletim informativo da QUERCUS, "clicar" na palavra sublinhada, ou aqui.)

quarta-feira, abril 29, 2009

quinta-feira, abril 23, 2009

Alemanha proibiu o cultivo de milho transgénico!...

"Mon 810 é cultivado em Portugal. Espanha é dos maiores produtores em toda a União Europeia."

"A Alemanha decidiu juntar-se ao grupo de países europeus que já proibiram o cultivo do milho transgénico por temer o impacto que este possa ter no meio ambiente e na vida humana. Na lista estavam já outros Estados membros como a França e a Grécia.(...)"

Artigo de Patrícia Viegas no Diário de Notícias de 14 de abril a ler na íntegra aqui...
Também no Bioterra

segunda-feira, março 02, 2009

Artigo de Clara Ferreira Alves no "Expresso"

Não admira que num país assim emerjam cavalgaduras, que chegam ao topo, dizendo ter formação, que nunca adquiriram, que usem dinheiros públicos (fortunas escandalosas) para se promoverem pessoalmente face a um público acrítico, burro e embrutecido.

Este é um país em que a Câmara Municipal de Lisboa, desde o 25 de Abril distribui casas de RENDA ECONÓMICA - mas não de construção económica - aos seus altos funcionários e jornalistas, em que estes últimos, em atitude de gratidão, passaram a esconder as verdadeiras notícias e passaram a "prostituir-se" na sua dignidade profissional, a troco de participar nos roubos de dinheiros públicos, destinados a gente carenciada, mas mais honesta que estes bandalhos.

Em dado momento a actividade do jornalismo constituiu-se como O VERDADEIRO PODER. Só pela sua acção se sabia a verdade sobre os podres forjados pelos políticos e pelo poder judicial. Agora contínua a ser o VERDADEIRO PODER mas senta-se à mesa dos corruptos e com eles partilha os despojos, rapando os ossos ao esqueleto deste povo burro e embrutecido. Para garantir que vai continuar burro o grande cavallia (que em português significa cavalgadura) desferiu o golpe de morte ao ensino público e coroou a acção com a criação das Novas Oportunidades.

Gente assim mal formada vai aceitar tudo e o país será o pátio de recreio dos mafiosos.

A justiça portuguesa não é apenas cega. É surda, muda, coxa e marreca.
Portugal tem um défice de responsabilidade civil, criminal e moral muito maior do que o seu défice financeiro, e nenhum português se preocupa com isso, apesar de pagar os custos da morosidade, do secretismo, do encobrimento, do compadrio e da corrupção. Os portugueses, na sua infinita e pacata desordem existencial, acham tudo normal" e encolhem os ombros. Por uma vez gostava que em Portugal alguma coisa tivesse um fim, ponto final, assunto arrumado. Não se fala mais nisso. Vivemos no país mais inconclusivo do mundo, em permanente agitação sobre tudo e sem concluir nada.
Desde os Templários e as obras de Santa Engrácia, que se sabe que, nada acaba em Portugal, nada é levado às últimas Consequências, nada é definitivo e tudo é improvisado, temporário, desenrascado.Da morte de Francisco Sá Carneiro e do eterno mistério que a rodeia, foi crime, não foi crime, ao desaparecimento de Madeleine McCann ou ao caso Casa Pia, sabemos de antemão que nunca saberemos o fim destas histórias, nem o que verdadeiramente se passou, nem quem são os criminosos ou quantos crimes houve.
Tudo a que temos direito são informações caídas a conta-gotas, pedaços de enigma, peças do quebra-cabeças. E habituámo-nos a prescindir de apurar a verdade porque intimamente achamos que não saber o final da história é uma coisa normal em Portugal, e que este é um país onde as coisas importantes são "abafadas", como se vivêssemos ainda em ditadura.
E os novos códigos Penal e de Processo Penal em nada vão mudar este estado de coisas. Apesar dos jornais e das televisões, dos blogs, dos computadores e da Internet, apesar de termos acesso em tempo real ao maior número de notícias de sempre, continuamos sem saber nada, e esperando nunca vir a saber com toda a naturalidade.
Do caso Portucale à Operação Furacão, da compra dos submarinos às escutas ao primeiro-ministro, do caso da Universidade Independente ao caso da Universidade Moderna, do Futebol Clube do Porto ao Sport Lisboa Benfica, da corrupção dos árbitros à corrupção dos autarcas, de Fátima Felgueiras a Isaltino Morais, da Braga Parques ao grande empresário Bibi, das queixas tardias de Catalina Pestana às de João Cravinho, há por aí alguém quem acredite que algum destes secretos arquivos e seus possíveis e alegados, muitos alegados crimes, acabem por ser investigados, julgados e devidamente punidos?

Vale e Azevedo pagou por todos?
Quem se lembra dos doentes infectados por acidente e negligência de Leonor Beleza com o vírus da sida?
Quem se lembra do miúdo electrocutado no semáforo e do outro afogado num parque aquático? Quem se lembra das crianças assassinadas na Madeira e do mistério dos crimes imputados ao padre Frederico?
Quem se lembra que um dos raros condenados em Portugal, o mesmo padre Frederico, acabou a passear no Calçadão de Copacabana?
Quem se lembra do autarca alentejano queimado no seu carro e cuja cabeça foi roubada do Instituto de Medicina Legal?
Em todos estes casos, e muitos outros, menos falados e tão sombrios e enrodilhados como estes, a verdade a que tivemos direito foi nenhuma.
No caso McCann, cujos desenvolvimentos vão do escabroso ao incrível, alguém acredita que se venha a descobrir o corpo da criança ou a condenar alguém?
As últimas notícias dizem que Gerry McCann não seria pai biológico da criança, contribuindo para a confusão desta investigação em que a Polícia espalha rumores e indícios que não têm substância.
E a miúda desaparecida em Figueira? O que lhe aconteceu? E todas as crianças desaparecida antes delas, quem as procurou?
E o processo do Parque, onde tantos clientes buscavam prostitutos, alguns menores, onde tanta gente "importante" estava envolvida, o que aconteceu?
Arranjou-se um bode expiatório, foi o que aconteceu.
E as famosas fotografias de Teresa Costa Macedo? Aquelas em que ela reconheceu imensa gente "importante", jogadores de futebol, milionários, políticos, onde estão? Foram destruídas? Quem as destruiu e porquê?
E os crimes de evasão fiscal de Artur Albarran mais os negócios escuros do grupo Carlyle do senhor Carlucci em Portugal, onde é que isso pára?
O mesmo grupo Carlyle onde labora o ex-ministro Martins da Cruz, apeado por causa de um pequeno crime sem importância, o da cunha para a sua filha.
E aquele médico do Hospital de Santa Maria, suspeito de ter assassinado doentes por negligência? Exerce medicina?
E os que sobram e todos os dias vão praticando os seus crimes de colarinho branco sabendo que a justiça portuguesa não é apenas cega, é surda, muda,*/coxa e marreca.
Passado o prazo da intriga e do sensacionalismo, todos estes casos são arquivados nas gavetas das nossas consciências e condenados ao esquecimento.
Ninguém quer saber a verdade. Ou, pelo menos, tentar saber a verdade.
Nunca saberemos a verdade sobre o caso Casa Pia, nem saberemos quem eram as redes e os "senhores importantes" que abusaram, abusam e abusarão de crianças em Portugal, sejam rapazes ou raparigas, visto que os abusos sobre meninas ficaram sempre na sombra.
Existe em Portugal uma camada subterrânea de segredos e injustiças , de protecções e lavagens , de corporações e famílias , de eminências e reputações, de dinheiros e negociações que impede a escavação da verdade.
Este é o maior fracasso da democracia portuguesa
Clara Ferreira Alves - "Expresso"/*

segunda-feira, dezembro 15, 2008

Boassas. Uma Aldeia Com História


Costuma-se dizer que "mais vale tarde do que nunca"... Pois, aí está! Foi finalmente editada a monografia sobre Boassas. O desenho gráfico é de Armando Alves e a edição é do Jornal Miradouro. É a edição, possível, de apenas 500 exemplares.

quinta-feira, setembro 04, 2008

"A História das Coisas" ou... o mundo em extinção!

Um vídeo muito "didático" que, de forma simples e entre muitas outras coisas, conta como a sociedade ocidental industrializada vive à custa dos países mais pobres... (Para visualizar, "clicar" no título ou aqui)
(Com um agradecimento ao "Espaço Centoecatorze")

Seminário sobre sustentabilidade em Braga


Seminário e sessão de trabalho (workshop) a realizar dias 26 e 27 de Setembro, em Braga, sobre o tema premente da sustentabilidade. De particular interesse a demonstração de construção em terra pelos arquitectos Renato de Brito e Rute Eires.

quarta-feira, agosto 13, 2008

Liceu de Caudry - uma escola eco-sustentável

Sempre me fascinaram as viagens como momentos privilegiados de apendizagem.
Fiquei maravilhado com a leitura do livro de Goethe "Viagem à Itália". Aí o trajecto do poeta motra-nos a vivência iniciática duma aprendizagem feita através do ver atento da paisagem, dos edifícios, dos homens.
Nada escapa à sua curiosidade: a geologia das ravinas, as plantas que observa no Jardim Botânico, os edifícios, tudo ressalta daquela visão penetrante.
Não se trata apenas do olhar passivo. É um ver reflexivo que pergunta, que capta e faz compreender o que nos cerca. A lição de Goethe é assim uma das mais extraordinárias aventuras do espírito de auto-aprendizagem.
Foi com esta referência que me meti a caminho num percurso de milhares de quilómetros com os meus amigos arquitectos Luís Pinto Faria e Queirós.
Além da viagem seria a experiência dum percurso longo, metidos numa auto-caravana já um tanto gasta de outras viagens anteriores.
Assim, para além de procurar "ver" atentamente a paisagem e os lugares que nos levariam à região do Ruhr, para uma visita de estudo a convite do meu amigo Herbert Dreiseitl do projecto ecológico de reabilitação da área envolvente do rio Emscher, teríamos a "prova" de uma vivência de milhares de quilómetros juntos no calhambeque ruidoso que era esta minha auto-caravana.
Desta experiência, não menos rica de aprendizagem, que nos levou à beira de um acidente na auto-estrada onde caía uma chuva torrencial, ao roubo da nossa câmara de víedo num self-service dum shoping, até ao dormir agitado nas áreas de serviço das auto-estradas para poupar tempo e dinheiro, tudo concorreu para esta espécie de "Paris-Dakar" cultural que, no nosso caso, nos levou do Porto até ao Emescher Park, na área do Ruhr, onde ficamos alojados na pequena aldeia de Gelsenkirchen, no norte da Alemanha.
Mas o que aqui quero relatar hoje, como pormenor acidentado e rico de experiências dessa viagem, foi a visita que fizemos a Caudry, uma pequena vila em França, perto de Cambrai, já muito próximo da fronteira com a Bélgica.
Fomos ver, sob indicação do professor Lefebvre, da Faculdade de Arquitectura de Paris, um liceu especial, cuja arquitectura era da responsabilidade do conhecido arquitecto Lucien Kroll.
Este edifício insere-se numa experiência pedagógica integrada num programa especial conhecido como construções de "alta qualidade ambiental" (haute qualité environementale).
Este programa, especialmente concebido para edifícios escolares tem um interesse muito especial. Trata-se de dar uma resposta ecológica aos edifícios públicos para que se tornem peças exemplares.
No caso das escolas isto tem um interesse suplementar. As crianças e os jovens aprendem a gerir lugares especiais e ao vivenciarem uma experiência de vida num meio ambiente ecológico, tornam-se os melhores defensores destes novos "dispositivos topológicos" para uma sociedade ecologicamente sustentável.
Esta filosofia pedagógica parece-me essencial para Portugal e constituiria uma forma concreta de exemplarmente se fazer pedagogia social para uma mudança de paradigma.
Vejamos, em traços largos, como é que Lucien Kroll realizou a proposta para um liceu que, programaticamente deveria ter em conta os seguintes requisitos: Escolha de materiais não tóxicos e recicláveis; Poupança hídrica e reutilização das águas das chuvas; Redução de gastos energéticos; Implantação ecológica na paisagem. A aposta do arquitecto foi a de construir, duma forma integrada e a uma pequena escala (escala doméstica), o conjunto de edificações e lugares de apoio ao liceu. Serviços administrativos e cantinas, pequena horta e jardins articulam-se com edifícios de salas de aulas e oficinas. Uma clara estratégia pedagógica revela-se neste "modelo" descentralizado e com preocupações de eco-sustentabilidade.
Os edifícios são na sua maioria construídos de madeira, material reciclável por excelência.
A bioclimatização faz-se através de estufas de vidro inseridas no próprio processo de articular as construções. Sistemas de ventilação, árvores, pequeno lago, disposição solar, inércia térmica dos materiais são os principais processos para uma bioclimatização solar passiva.
Com este "eco-sistema" poupam-se gastos energéticos substanciais pois este tipo de bioclimatização regulariza o essencial das variações térmicas.
A organicidade das formas e o paisagismo envolvente, dão à edificação um carácter acolhedor e humanizado.
Trata-se de uma aproximação holística à arquitectura e ao território: a construção dos edifícios conjuga-se e torna-se paisagem. E a paisagem é a consciencialização plástica e ecotécnica do ecosistema visando objectivos dum desenvolvimento durável, ou seja dum ecodesenvolvimento que, como se expressa no texto de Brundtland, "tem em conta as necessidades actuais sem comprometer as necessidades das gerações futuras".

Jacinto Rodrigues
Professor catedrático da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto
(In
Jornal "a Página" , ano 11, nº 114, Julho 2002, p. 10)

sábado, julho 26, 2008

Novo livro do Professor Jacinto Rodrigues


Foi recentemente publicado um novo livro do Professor Doutor Jacinto Rodrigues. Trata-se de uma colectânea onde "o autor faz uma reflexão sobre a problemática da ecologia. Explicita perspectivas para o desenvolvimento ecologicamente sustentado. Pensa processos que facilitem um decrescimento sustentável em relação a pretensas necessidades do consumismo.
São aqui apresentadas acções exemplares que podem constituir alternativas ao ensino e que estabelecem medidas de transição face ao actual modelo insustentável de sociedade dominante."
Jacinto Rodrigues é Professor Catedrático da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP), onde rege actualmente a cadeira de "Ecologia Urbana". É investigador do Centro de Estudos Africanos da Faculdade de Letras da mesma Universidade.

segunda-feira, junho 02, 2008

Nova visita à Palhota


Fizemos uma nova visita à aldeia da Palhota. Desta vez tratou-se de uma iniciativa integrada no "Projecto de Candidatura da Cultura Avieira a Património Nacional", do qual falaremos com maior detalhe mais adiante. Saliento que foi nesta aldeia que Alves Redol escreveu parcialmente o seu "Gaibéus".

segunda-feira, abril 28, 2008

O desastre ambiental dos biocombustíveis... ou como nem tudo o que parece verde é!

Os biocombustíveis são um desastre ambiental, estão a agravar a fome no mundo e a contribuir ainda mais para ao aumento do efeito de estufa. Há já regiões do mundo onde se têm verificado revoltas pelo aumento generalizado dos cereais.
"(...) Se os biocombustíveis não podem ser produzidos em habitats virgens, ficam confinados à terra agrícola existente o que significa que sempre que enchermos o depósito do carro estaremos a tirar comida da boca das pessoas. Isto, por sua vez, vai conduzir ao aumento do preço da alimentação, o que estimula os produtores a destruir os habitats selvagens – florestas e tudo o resto – para os produzirem. Poderemos ficar descansados com a moralidade das nossas leis, mas os impactos vão ser os mesmos. Não há saída para isto: num planeta finito com alimentos limitados ou competimos com os famintos ou cultivamos mais terras. (...)"
Excerto de um texto de George Monbiot
Publicado no jornal GUARDIAN a 12 de Fevereiro de 2008 (clicar para ler texto completo)
O tema é amplamente comentado e debatido no BIOTERRA

terça-feira, janeiro 22, 2008

Jornadas Quercus de Arquitectura Sustentável

O Núcleo Regional do Porto da Quercus está a organizar, para os dias 23 de Fevereiro, 29 de Março, 19 de Abril e 24 de Maio no Museu Nacional Soares dos Reis, as “Jornadas Quercus de Arquitectura Sustentável”.
Para mais informações basta "clicar" aqui, ou na palavra sublinhada.

sexta-feira, novembro 09, 2007

"Boassas - Uma aldeia com história"... o livro


Vai, finalmente, ser editado no próximo mês de Dezembro o livro "Boassas. Uma aldeia com história". A APOBO associa-se ao lançamento através da sua divulgação. Assim, os associados que reservem até 30 do corrente um ou mais exemplares da obra beneficiarão de um desconto de 20% sobre o preço de capa.
Para efectuar reserva ou obter mais informações:
Telemóvel: 968175718 ou 919346388