sexta-feira, maio 18, 2007

Construir em madeira


“A madeira é um material altamente reutilizável, aproveita a energia solar e o CO2 atmosférico para a sua geração e, por sua vez, consome pouca energia para a sua transformação sem produzir no seu processo resíduos contaminantes.

O aproveitamento construtivo de madeiras certificadas retira por grande período de tempo grandes quantidades de CO2 atmosférico (1,8 Tm.de CO2 por cada Tm. de madeira) o que facilita o cumprimento dos compromissos de Kioto sobre as alterações climáticas. O aproveitamento dos produtos florestais com gestão certificada melhora os bosques e possibilita um maior desenvolvimento social do mundo rural.”

Tradução livre do texto extraído do 1.º concurso da Cátedra de la Madera de Castilla y León “Construir con Madera” (www.uva.es/agoras.arq)

Nota: Em Portugal a construção em madeira é apenas residual, no entanto somos dos maiores consumidores mundiais de betão. Sintomático disso mesmo é o facto de o concurso português mais importante ser patrocinado por uma empresa de cimento... Por outro lado há também um preconceito e ignorância enraízados sobre este (tão nobre) material.

3 comentários:

Stanko disse...

Amigos,
Tentem visitar o blog seguinte :
http://planob-arruda.blogspot.com/
onde se vê que ainda ha esperança !

kandimba disse...

Tenho algumas dúvidas nesta questão. Talvez a madeira seja teoricamente mais ecológica que o betão mas já viram quantas árvores teríamos de plantar (e derrubar) para ter madeira suficiente para a construção?

manuel cerveira pinto disse...

Caro "Kandimba"
Claro que há sempre dúvidas. O uso da madeira não é "de per si" ambientalmente inócuo. Por isso se fala em "madeira certificada", ou seja, sabendo da sua proveniência. A madeira originária dos países nórdicos é certficada (são países onde a maior parte da construção continua a ser e madeira e onde a floresta cresce...) e pode ser usada sem grandes problemas para a noção de que estaremos realmente a usar um processo ecológico. Já se usarmos madeira proveniente de África ou da América do Sul, a probabilidade de estarmos a delapidar as florestas tropicais é enorme...
Obrigado pela participação neste espaço e até breve
Manuel da Cerveira Pinto